Usa Flag / English Version Bandeira do Brasil / Versão em Português
CURRENT MOON
Lua atual
O amanhecer na grande e bela cratera GASSENDI.
(créditos: Vaz Tolentino.)

Informações sobre a Foto

O amanhecer na grande e bela cratera GASSENDI.

(créditos: Vaz Tolentino.)

Cratera GASSENDI:

Diâmetro: 110 Km;

Profundidade: 2,95 Km

Coordenadas Selenográficas: LAT: 17° 30′ 00″ S, LON: 39° 54′ 00″ W.

Período Geológico Lunar: Nectárico (3,92 bilhões até 3,85 bilhões anos atrás).

Melhor período de observação: 3 dias após o quarto-crescente ou dois dias após o quarto-minguante.

Quem foi Gassendi? Pierre Gassendi (1592-1655) foi um padre francês, que era astrônomo, matemático e filósofo.

GASSENDI é uma magnífica cratera de impacto de morfologia complexa, de bordas mal definidas, com 110 Km de diâmetro, localizada na margem norte do Mare HUMORUM. A cratera GASSENDI localiza-se por sobre um desnível e inclina-se em direção ao centro do Mare HUMORUM.

Seu interior também apresenta muitos desníveis ou elevações, possui um notável grupamento de montanhas e um magnífico e complexo sistema de canais, por onde fluía lava no passado lunar, conhecido como Rimae GASSENDI, que ajudam a dar um aspecto fraturado ao piso. A soma dos comprimentos dos canais que fazem parte desse sistema, chega a atingir 155 Km.

O grupamento de montanhas presentes no piso interno de GASSENDI atinge com seu maior pico, mais de 1,6 Km acima do fundo da cratera.

Volumes de magma que ascenderam por debaixo da cratera GASSENDI racharam a crosta endurecida e elevaram seu piso. As fraturas presentes em seu piso interno acabaram por marcar as bordas das áreas que foram levantadas. Esse processo foi o responsável pela criação dos canais que passeiam por sua área interna. Seu piso interno foi inundado por lavas que fluíram pelas fraturas, o que resultou num piso com pouca profundidade.

GASSENDI é uma legitima “cratera de piso fraturado”, sendo larga o suficiente para mostrar bastantes detalhes de seu piso interno quando observada através de telescópio. A borda sul de sua parede é muito baixa, atingindo apenas 150 m acima de seu piso interno.

O lado norte de sua borda, que está num nível mais elevado, hospeda uma cratera de 33 Km de diâmetro e 3,99 Km de profundidade, conhecida como Gassendi A (LAT: 15.5º S  LON: 39.7º W). O posicionamento de Gassendi A em relação à GASSENDI, forma uma imagem semelhante a um anel com pedra preciosa.

Ao norte de GASSENDI encontra-se a cratera LETRONNE (diâmetro: 120 Km, profundidade: 1,28 Km, LAT: 10.6º S e LON: 42.4º W), uma formação de grande dimensão, que foi inundada por lava basáltica proveniente do Oceanus PROCELLARUM (Oceano das Tormentas), através de uma grande abertura na sua borda norte.

Em abril de 1966, membros do “BAA Lunar Section” (British Astronomical Association – Seção Lunar) reportaram a aparição de uma súbita incandescência avermelhada em GASSENDI. Essa coloração avermelhada foi confirmada por outros observadores experientes da época. A partir daí, GASSENDI tornou-se um alvo quente para a procura de TLP (Transient Lunar Phenomena) - fenômeno lunar transitório, breve ou passageiro, que são descritos como aparições rápidas de luzes, cores, flashs ou mudança de aparência no visual, o que poderia demonstrar a existência de manifestações vulcânicas, escape de gases ou outros processos geológicos que supostamente implicaria que a Lua não estaria geologicamente morta.

FotoA destacada cratera de piso fraturado GASSENDI, localizada sobre a borda norte do Mare HUMORUM. Mais ao norte está a cratera LETRONNE. Foto executada por VTOL em 21‎ de ‎maio‎ de ‎2013, ‏‎22:43:50 (01:43:50 UT).

FotoComposição apresentando a Lua cheia com a indicação e abrangência da foto anterior da cratera GASSENDI. Também é mostrado o perfil altimétrico (NASA / LRO QuickMap) de três dos vários canais existentes no piso interno de GASSENDI (no detalhe), que pertencem ao complexo conhecido como Rimae GASSENDI. O maior canal apresenta cerca de 2,5 Km de largura e 210 m de profundidade. Fotos por VTOL.

Foto executada com apenas 1 frame em ‎26‎ de ‎abril‎ de ‎2018, ‏‎20:25:12 (23:25:12 UT).

Foto executada com apenas 1 frame em ‎11‎ de ‎agosto‎ de ‎2019, ‏‎18:10:46 (21:10:46 UT).

Foto executada com apenas 1 frame em ‎‎27‎ de ‎setembro‎ de ‎2020, ‏‎20:36:24 (23:36:24 UT).

Bo!

Boletim Observe! do mês de agosto ...
Boletim Observe! do mês de agosto de 2021.
Nobres colegas. O Boletim Observe! do mês de agosto de 2021 está disponível no endereço eletrônico mencionado a seguir: http://www.geocities.ws/costeira1/neoa/observe.pdf Leia a edição atual ... Leia mais

Nobres colegas. O Boletim Observe! do mês de agosto de 2021 está ... Leia mais
27/07/2021
Jean_nicolini2

30 anos sem o Astrônomo Jean ...
30 anos sem o Astrônomo Jean Nicolini.
30 ANOS SEM JEAN NICOLINI Por Nelson Travnik* Laureado pela Sociedade Astronômica da França, SAF, com o prêmio “George Bidault d’ Isle”; perpetuado no Observatório Municipal de Campinas com seu nome, na ... Leia mais

30 ANOS SEM JEAN NICOLINI Por Nelson Travnik* Laureado pela Sociedade Astronômica da ... Leia mais
27/07/2021
Ice

Em Campinas há 24 anos, o gelo que ...
Em Campinas há 24 anos, o gelo que veio do espaço - por Nelson Travnik.
C I Ê N C I A Nelson Travnik EM CAMPINAS HÁ 24 ANOS, O GELO QUE VEIO DO ESPAÇO Na manhã do dia 11 de julho de 1997, Campinas foi palco de um fato insólito, único talvez no mundo. Nesse dia, entre 6h45 e ... Leia mais

C I Ê N C I A Nelson Travnik EM CAMPINAS HÁ 24 ANOS, O GELO QUE VEIO DO ... Leia mais
12/07/2021
Bo!

Boletim Observe! do mês de julho ...
Boletim Observe! do mês de julho de 2021
Nobres colegas. O Boletim Observe! do mês de julho de 2021 está disponível no endereço eletrônico mencionado a seguir: http://www.geocities.ws/costeira1/neoa/observe.pdf Leia a edição atual do ... Leia mais

Nobres colegas. O Boletim Observe! do mês de julho de 2021 está disponível no ... Leia mais
12/07/2021